Prêmio de Jornalismo

Banner

Aviso de Pauta

Sala de

Publicador de Conteúdos e Mídias

Atendimento aos Jornalistas
Pedidos de informação e entrevistas podem ser feitos diretamente à Coordenadoria de Editoria e Imprensa (CEIM) pelo telefone (61) 3043-4907 ou pelo email secom@tst.jus.br

Avisos de Pauta
Os jornalistas que quiserem se cadastrar para recebimento de releases e comunicados por email podem preencher formulário disponível aqui.

Lista de Transmissão
Também é possível solicitar inclusão de número de telefone móvel na lista de transmissão criada para envio de informações à imprensa por WhatsApp. (Cadastre seu telefone)

Fotografia
A SECOM faz registros fotográficos diários das sessões de julgamento, eventos e reuniões. As fotos relativas a eventos públicos são disponibilizadas no Flickr. Também é possível acompanhar os cliques pelo Instagram.

Redes Sociais
Todas as notícias publicadas no portal do TST também são divulgadas no Facebook e Twitter. Para acompanhar, basta curtir ou seguir os perfis.

Sessões ao Vivo
Todas as sessões de julgamento do TST são filmadas e transmitidas ao vivo pelo site do TST, podendo qualquer interessado assistir em tempo real. Os julgamentos das Sessões do Tribunal Pleno e do Orgão Especial também são transmitidos pelo canal do TST no Youtube.

Televisão
A Coordenadoria de Rádio e TV (CRTV) produz dois programas de televisão com conteúdos relacionados ao Direito do Trabalho - Revista TST e Jornada. As produções são exibidas semanalmente pela TV Justiça, mas emissoras públicas e comunitárias que tiverem interesse em veicular os programas podem firmar termo de parceria. Clique aqui.

Rádio
O TST produz boletins e reportagens de rádio, veiculadas na Rádio Justiça, e disponibilizadas no site para utilização também por emissoras públicas e comunitárias. Emissoras interessadas em receber material em áudio, podem se cadastrar aqui.

A medida leva em conta o risco de contaminação e de disseminação da Covid-19 no transporte público.

Trens do Metrô-DF

Trens do Metrô-DF

24/04/21 - A presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministra Maria Cristina Peduzzi, determinou, nesta sexta-feira (23), a manutenção do funcionamento de 80% dos trens da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF) nos horários de pico, durante a greve dos metroviários. Embora o direito de greve seja garantido também nas atividades essenciais, a ministra ponderou que o atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade não pode ser desvinculado do contexto atual, “em que o grau de funcionamento do transporte afeta diretamente o risco de contaminação e disseminação do novo coronavírus".

Greve

O movimento teve início na segunda-feira (19), motivado pelo corte do auxílio-alimentação e pelo alegado descumprimento de condições previstas em normas coletivas. Por determinação do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região, foram mantidas 60% das operações em horários de pico e 40% em horas normais.

Aglomerações

No pedido de suspensão de liminar apresentado no TST, o Metrô-DF sustentou que o aumento dos trens em circulação é necessário para assegurar o distanciamento social entre os usuários. Segundo a empresa, a tutela deferida pelo TRT não permite a operação com segurança, “diante das atuais aglomerações intensas”. A pretensão era o retorno da totalidade dos operadores em greve ou, subsidiariamente, a manutenção de 80% do funcionamento no período de pico e de 60% no período diário.

Direito de greve

No exame do pedido, a ministra observou que a determinação de retorno integral dos trabalhadores inviabilizaria o exercício do direito fundamental à greve (artigo 9º da Constituição da República), o que é incompatível com o ordenamento jurídico brasileiro. “A existência da pandemia não pode ser invocada como meio de eliminar o exercício de direitos humanos fundamentais”, afirmou.

A presidente do TST lembrou que o exercício do direito de greve pode estar sujeito a limitações e restrições previstas em lei, mas não pode ser suprimido. Assinalou, ainda, que a Lei de Greve (Lei 7.783/1989) não proíbe o exercício do direito em atividades essenciais. “Pelo contrário, apenas estabelece requisitos mais rígidos, como a necessidade de manutenção de funcionamento mínimo”, explicou.

Saúde pública

Por outro lado, a ministra ponderou que grande parcela da população economicamente ativa, que integra a maioria dos usuários do transporte coletivo, ainda não teve acesso à vacina, e a manutenção dos percentuais determinados pelo TRT também representaria risco de grave lesão à saúde pública. “A questão revela-se ainda mais grave diante do alto nível de ocupação dos serviços de saúde e da constatação de que a vacinação ainda se mantém apenas nos grupos prioritários”, concluiu.

(CF/TG. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

Processo: SLS-1000688-85.2021.5.00.0000

Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4907
secom@tst.jus.br

Sala de Impresa - Rodapé


 

Glossário

Dúvidas Frequentes