Dia Internacional da Mulher Dia Internacional da Mulher

"Tenho a impressão de que a mulher, por ser mais meiga e mais calma, faz falta."

Cnéa Cimini, primeira magistrada do TST em entrevista à OAB, em 2006.

 

No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens - as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho - e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.

A manifestação foi reprimida com total violência, as mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas.

Em 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o dia 8 de março passaria a ser celebrado como o Dia Internacional da Mulher, em homenagem àquelas tecelãs que morreram em 1857.

Em 1975, por meio de um decreto, a data foi oficializada pela Organização das Nações Unidas – ONU, mas a oficialização não é só para comemorações, na maioria dos países realizam-se conferências, debates, reuniões com o objetivo de discutir o papel da mulher na sociedade atual.

Em pleno Século XXI, as mulheres ainda sofrem com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. O esforço é para diminuir e, quem sabe, um dia terminar com o preconceito e desvalorização da mulher.

 

As informações e imagens desta página foram cedidas pelo TST e pelos TRTs, que colaboraram no intuito de homenagear as primeiras magistradas do Poder Judiciário do Trabalho. As logos representam os órgãos que não conseguiram enviar o material em tempo hábil. Clique nas imagens e conheça a história de grandes mulheres da Justiça do Trabalho.

Vídeo