Publicador de conteúdo Publicador de conteúdo

Retornar para página inteira

Empregada da BRF vai receber indenização por intervalos para recuperação térmica



A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho desproveu agravo pelo qual a BRF S.A. pretendia rediscutir condenação ao pagamento de indenização relativa aos intervalos para recuperação térmica a uma empregada que atuava no setor de desossa de bovino da empresa, exposta a temperaturas abaixo de 10°C de forma habitual e permanente.

Na decisão anterior, o Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (MT) considerou irrelevante a alegação da empresa de que a empregada não trabalhava em câmara frigorífica nem transportava mercadorias do ambiente quente para o frio e vice-versa. Para o TRT, a simples constatação de que o trabalho era realizado em ambiente artificialmente frio dá à empregada o direito ao intervalo especial previsto no caput do artigo 253 da CLT.

No agravo de instrumento, a BRF alegou que o Regional, ao negar seguimento ao recurso de revista, cerceou seu direito de defesa porque se baseou em dispositivo que não se aplica ao processo do trabalho – o artigo 518, parágrafo 1º, do Código de Processo Civil, que impede a subida de recurso quando a sentença estiver em conformidade com súmula do Superior Tribunal de Justiça ou do Supremo Tribunal Federal.

O relator, ministro João Oreste Dalazen, afirmou que, embora dispositivo seja inaplicável ao processo do trabalho, o acórdão do Regional negou seguimento ao recurso com o fundamento de que a decisão estava de acordo com súmula do TST. Segundo Dalazen, o artigo 557, caput, do CPC, que permite que o próprio relator negue seguimento a recurso cuja tese esteja em confronto com súmula de Tribunal Superior, é aplicado subsidiariamente ao processo do trabalho, conforme o artigo 769 da CLT e a Instrução Normativa 17, item III, do TST.

A decisão foi por unanimidade.

(Mário Correia/CF)

Processo: AIRR-1348-08.2013.5.23.0107

O TST possui oito Turmas julgadoras, cada uma composta por três ministros, com a atribuição de analisar recursos de revista, agravos, agravos de instrumento, agravos regimentais e recursos ordinários em ação cautelar. Das decisões das Turmas, a parte ainda pode, em alguns casos, recorrer à Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SBDI-1).

Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida à reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4907
imprensa@tst.jus.br
Inscrição no Canal Youtube do TST