Publicador de conteúdo Publicador de conteúdo

Retornar para página inteira

Doação do acervo pessoal do Ministro Geraldo M. Bezerra de Menezes

Na terça-feira, dia 12 de maio, uma equipe técnica da Coordenadoria de Gestão Documental e Memória do Tribunal Superior do Trabalho (TST), responsável pela Memória Institucional, viajou ao Rio de Janeiro para receber a doação do acervo pessoal do Ministro Geraldo Montedônio Bezerra de Menezes, doado por seus filhos e netos.

O Ministro Geraldo Bezerra de Menezes, como era conhecido, presidiu o Conselho Nacional do Trabalho (CNT), no período de 23 de fevereiro de 1946 a 10 de setembro de 1946. Com a criação do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Geraldo Bezerra de Menezes passou à condição de Ministro-Presidente do TST, tecnicamente o primeiro da história do Órgão.

Permaneceu como dirigente máximo do Tribunal durante duas gestões consecutivas: 1946 a 1949 e 1949 a 1951. Foi, também, o primeiro Corregedor-Geral da Justiça do Trabalho de 1954 a 1956 e de 1958 a 1960.

Esse acervo vem para compor a história do Tribunal Superior do Trabalho, com as diversas facetas dessa personalidade de tão grande importância: o magistrado, o escritor, o membro da Academia Fluminense de Letras, o professor da Universidade Federal Fluminense, o defensor do cristianismo. Premiado e condecorado por várias instituições, também recebeu a distinção feita pelo Papa Paulo VI, com a Comenda de São Gregório Magno.

Pelas palavras de seu biógrafo Edmo Lutterbach "O Ministro Geraldo Bezerra de Menezes, foi o autor do Decreto Lei 9.797/46, que deu forma à atual Justiça do Trabalho, e que tem, hoje, seu acervo doado para guarda e proteção perpétua do Tribunal Superior do Trabalho, foi um intelectual singular, o qual podemos tentar interpretá-lo apenas quando o contemplamos como um todo. E, assim, a família com orgulho oferece aos trabalhadores e pesquisadores brasileiros o acervo acumulado por gerações em nome da crença de que é possível sim construirmos um país que seja guiado pelo amor ao próximo".