Publicador de conteúdo Publicador de conteúdo

Retornar para página inteira

Painel debate danos à saúde e à vida adulta em razão do trabalho precoce



(Qui, 09 Out 2014 14:13:00)

Uma visão das sequelas causadas em decorrência do trabalho infantil sob o olhar da Psicologia. Esse foi o enfoque do painel "Danos à Saúde Física e Mental: Prejuízo Irrecuperável", realizado nesta quinta-feira na programação do Seminário Trabalho Infantil – Realidade e Perspectivas, promovido pelo Tribunal Superior do Trabalho.

O psicanalista Ivan Capelatto destacou as novas modalidades de trabalhadores infantis, formadas por crianças que às vezes não têm necessidade de auxiliar as famílias economicamente, mas buscam no trabalho indivíduos que atuem como referências afetivas, por não enxergarem essa figura em casa. É o caso de crianças aliciadas como "aviõezinhos" do tráfico e levadas à prostituição cada vez mais cedo, dos seis aos nove anos de idade, transferindo para o traficante ou para o adulto que busca o sexo o papel de referência em suas vidas.

"É preciso que cuidemos das famílias para que os pais assumam o papel de referência, que ofereçam o zelo e cuidado para construção da autoestima da criança, não permitindo que a falência na relação parental a deixe refém do aliciador", afirmou o psicanalista. Entre as demais causas que levam a criança para o trabalho, apontou a pobreza extrema, o acesso difícil à escola, a gravidez precoce e a ausência do sentimento de pertinência.

215 milhões

A médica do trabalho e professora do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília (UnB), Maria da Graça Luderitz Hoefel, apresentou importantes estatísticas do trabalho infantil, destacando que as crianças têm vendido sua força de trabalho em condições e ambientes precaríssimos e recebendo cada vez menos, o que repercute na vida adulta e gera acidentes e mortes. Dados apresentados pela painelista indicam a existência de 215 milhões de crianças trabalhando no mundo, sendo cinco milhões no Brasil. Dessas, dois milhões têm de 5 a 15 anos e estão concentradas nas regiões Nordeste (44%) e Sudeste (24%).

Com relação aos acidentes, Maria da Graça destacou que as crianças operam máquinas perigosas sem supervisão, em jornadas extenuantes e intoxicadas por agrotóxicos nas plantações. "Esses problemas repercutem no processo de desenvolvimento das crianças e as prejudicam na vida adulta, resultado em sofrimento físico e psíquico".

A ministra do TST Dora Maria da Costa, mediadora do painel, destacou a importância da discussão por considerar difícil a conciliação entre trabalho infantil por necessidade econômica e a importância do lúdico. Para Dora Costa, o debate sob o enfoque da Psicologia permitiu aos participantes terem uma visão não só da regulamentação, mas também das sequelas, físicas e mentais dessa forma de trabalho. "Muitas vezes o juiz se foca só na lei, no que é ou não legal. O que vimos hoje foi o olhar da Psicologia sobre o tema, visão importante que devemos ter".

O Programa de Combate ao Trabalho Infantil no âmbito da Justiça do Trabalho foi criado pelo TST e o Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) como forma de sensibilizar magistrados, servidores e a sociedade para a gravidade do problema do trabalho infantil. 

 

Os painelistas receberam da ministra Dora Maria da Costa (foto) a medalha da da Comissão de Erradicação do Trabalho Infantil e de Proteção ao Trabalho Decente do TST e CSJT.

Confira no Flickr a galeria de imagens do seminário.

 

(Fernanda Loureiro/CF. Foto: Fellipe Sampaio)

Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4907
secom@tst.jus.br
Inscrição no Canal Youtube do TST